quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Mitos sobre Altas Habilidades/Superdotação

Atendendo ao resultado da enquente realizada anteriormente segue alguns mitos sobre Altas Habilidades.
Desfazendo Idéias Errôneas e Falsos Conceitos a Respeito do Indivíduo com Altas Habilidades/Superdotação

Segundo GUENTHER (2001, p.51) muitos mitos e falsos conceitos envolvendo crianças mais capazes e talentosas já foram desafiados, desacreditados e abolidos tais como:

Ø Eles conseguem se desenvolver sozinhos e sem ajuda. Isso não é absolutamente verdade. Muitas crianças talentosas ficam sem incentivo, desestimuladas, desanimadas e abandonam os esforços e disciplina necessários pra promover o desenvolvimento de seu potencial; por isso uma boa parte do talento humano é desperdiçado, mediocrizado ou permanece sem se desenvolver.
Ø Eles são fisicamente fracos e emocionalmente instáveis. Essa é também uma idéia falsa, pois há muitos estudos mostrando que, como grupo, as crianças bem-dotadas tendem a ser fisicamente mais forte e mais saudáveis, a longo prazo, do que a população com que é comparada. (...). Também como grupo são mais estáveis e mais fortes emocionalmente, do que os seus pares etários. Na verdade eles precisam ser mais fortes, e amadurecer melhor, para enfrentar as demandas e expectativas a que frequentemente são submetidos.
Ø O talento desaparece, queima-se, e crianças muito dotadas não são produtivas por muito tempo na vida adulta. Outra noção falsa. As pessoas bem-dotadas e talentosas permanecem produtivas e talentosos até idades muito avançadas e apresentam produtividade superior ao grupo de idade, em todas as faixas etárias. Entretanto, realmente acontece que muitas crianças, tidas como prodígios na faixa de idade de 2,3 a 4, 5 anos, crescem e se revelam normais, não apresentando nem produção e nem características de dotação superior, quando adultos. (...). Portanto, cabe lembrar que precocidade pode ser um sinal de capacidade elevada – mas apenas um sinal, pois muitos talentosos não foram precoces, inclusive Einstein, o maior gênio deste século, que somente começou a falar aos três anos de idade, e não conseguia ler antes dos sete! Ao passo que muitas crianças, prodígios foram adultos normais.
Ø O bem-dotado nasce assim, e nada pode modificá-lo, nem para mais e nem para menos. Isso também é uma noção falsa. O potencial presente como predisposições e inclinações no plano genético, ou ao nascer, é enormemente influenciado por fatores, condições e variáveis ambientais. Inteligência é um atributo que pode ser nutrido, modificado, re-criado, estiolado ou desenvolvido pelo que a criança encontra, ou deixa de encontrar, em termos de condições ambientais e estimulação, durante e pela experiência de vida, e não algo a ser “descoberto” nas crianças.
Complementando essa discussão, Denise Fleith (2007, p.16-17) também elenca essas idéias errôneas sobre os bem-dotados:

Ø Compreender Gênio e Superdotado como sinônimos. (...) Devido a esta concepção do superdotado como um gênio, não é raro a família questionar e mesmo negar que o seu filho se qualifique como tal, quando, por exemplo, é informada pela escola que ele foi selecionado para participar de um programa de atendimento a alunos com altas habilidades. (...) O que tem sido apontado pelos estudiosos das altas habilidades/superdotação é a idéia de que existe um contínuo em termos de habilidades, seja, por exemplo, na área intelectual ou artística, apresentado o superdotado uma ou mais habilidades significativamente superiores quando comparado à população em geral. E tem sido recomendado que o termo “gênio” seja reservado para descrever apenas os indivíduos que deixaram um legado à humanidade, pelas suas contribuições originais e de grande valor.

Ø O superdotado se caracteriza por um excelente rendimento acadêmico. Outra idéia equivocada. Muitas vezes, observa-se uma discrepância entre o potencial (aquilo que a pessoa é capaz de realizar e aprender) e o desempenho real (aquilo que o indivíduo demonstra conhecer). Muitos são os fatores aos quais se pode atribuir este desempenho inferior. Tanto uma atitude negativa com relação à escola, como as características do currículo e métodos utilizados, além de baixas expectativas por parte do professor, paralelamente a pressões exercidas pelo grupo de colegas com relação ao aluno que se destaca por suas idéias ou habilidades marcantes, são alguns dos fatores responsáveis, sendo que esses relacionam entre si de maneira interdependente e complexa.

 Outros fatores que podem ser considerados para explicar essa discrepância:
§ Fatores individuais – baixa auto-estima, depressão, ansiedade, perfeccionismo, irritabilidade, não-conformismo, hostilidade e comportamento agressivo, lócus de controle externo, impulsividade e déficit de atenção e necessidade de ser aceito pelos colegas.
§ Fatores familiares – baixas expectativas parentais, atitudes inconsistentes dos pais a respeito das realizações do(a) filho(a); conflitos familiares, clima familiar em que prevalece menor grau de apoio, segurança e compreensão das necessidades da criança ou do jovem.
§ Fatores do sistema educacional – ambiente acadêmico pouco estimulante, métodos de ensino centrados no professor; excesso de exercícios repetitivos, baixas expectativas do professor com relação ao desempenho do aluno, pressão ao conformismo, procedimentos docentes rígidos, com padronização do conteúdo, aliado ao pressuposto de que todos os alunos devem aprender no mesmo ritmo e de mesma forma.

§ Fatores da sociedade – cultura anti-intlectualista, que se traduz por uma pressão em relação aos alunos que se dedicam e se sobressaem na área acadêmica. Os rótulos “nerd” ou “cdf”, usados, muitas vezes, de maneira pejorativa, constituem-se formas de discriminar negativamente esses alunos.

Ø A participação em programas especiais fortalece uma atitude de arrogância e vaidade no aluno superdotado. Outra noção também difundida que não tem fundamento. O que se tem confirmado é que estudantes que vem sendo submetidos ao atendimento especializado, quando de boa qualidade, ficam mais satisfeitos academicamente, entusiasmados com as propostas curriculares, mais ajustados social e emocionalmente. (Reis & Renzulli, 2004).

Ø Valores culturais a favor de um atendimento especial apenas a alunos com distúrbios de conduta e deficiência. Frequentemente professores e gestores de instituições educacionais defendem que seria um absurdo investir em programas para alunos com altas habilidades/superdotação, quando existe um largo contingente de alunos com necessidades especiais relacionadas a distúrbios e deficiências diversas, que permanece sem um atendimento especializado no país. Deve o sistema educacional atender, de forma diferenciada, tanto aqueles com altas habilidades e talentos especiais como os que apresentam distúrbios de condutas e deficiências diversas.

Ø A aceleração do aluno superdotado resulta mais malefícios do que benefícios. As pesquisas têm indicado, porém, que a aceleração traz benefícios para o aluno, quando o processo de aceleração é bem conduzido, levando-se em conta as suas necessidades e características intelectuais, sociais e emocionais, paralelamente a professores adequadamente preparados para apóiá-lo em suas necessidades.

Ø O superdotado tem maior predisposição a apresentar problemas sociais e emocionais. Contrário a essa idéia, inúmeros estudos têm indicado que muitos alunos com altas habilidades/superdotação caracterizam-se não apenas por uma inteligência superior, mas também por um melhor ajustamento social e emocional. Entretanto, aqueles que apresentam uma inteligência excepcionalmente elevada tendem a enfrentar maior número de situações que poderão ter um impacto negativo no seu ajustamento sócio-emocional. Neste grupo, é mais frequente os alunos se sentirem pouco estimulados pelo programa levado a efeito na escola, apresentando ainda dificuldades de relacionamento social com os colegas, por terem interesses distintos, o que gera sentimentos de solidão e isolamento.

HOMENAGEM ESPECIAL

BRENDA Seus cabelos cheios de cachinhos Num tóin óin óin elegante Branquinha de pele suave Com sorriso pra lá de cativante Olh...